• Daniela Ventura

[exercício criativo] Páginas Matinais, de Julia Cameron

"Os artistas são visionários. Praticam uma forma de fé, vendo um objectivo criativo que reluz à distância e seguindo na sua direcção."

Julia Cameron


Julia Cameron, autora do livro "O caminho do artista", é uma artista que trabalha com o despertar do potencial criativo que existe em nós, ajudando-nos a romper com bloqueios. Ela desmistifica a ideia de que o processo criativo precisa de ser sofrido e é limitado a alguns e leva-nos ao abandono de qualquer desculpa que nos impede de seguir em frente no acesso ao nosso potencial criativo.


A primeira ferramenta que ela partilha no seu programa (e livro), são as Páginas Matinais.

No capítulo "Ferramentas básicas", ela explica que "para recuperarmos a nossa criatividade, primeiro precisamos de a encontrar". Como? Com a ajuda de técnicas como as páginas matinais, um exercício que deve ser feito, diariamente, durante um mínimo de 12 semanas.


Como?


Todos os dias, ao acordar, preenche três páginas escritas à mão com pensamentos livres. Uma verdadeira drenagem mental!


Por exemplo: "Ah, bolas, mais uma manhã e eu sem nada para escrever... Vou lavar a roupa mal me levante porque está sol."


Não existe certo ou errado nas páginas matinais - apenas um fluir de palavras e mais palavras num caderno que ninguém deve ler para além de ti - e nunca antes das primeiras oito semanas de escrita.


Deixa no papel todos os obstáculos que se colocam entre ti e a tua criatividade: raiva, irritação, injustiças, preocupações, medos.


Como "pessoas bloqueadas", temos tendência em nos criticarmos sem dó nem piedade. Somos vítimas do nosso perfeccionismo interior, um crítico maldoso que mantém uma corrente de comentários subversivos que tendemos a confundir com verdade. A Julia chama-lhe de "censor".


Frases famosas do censor:

  • "Chamas a isso escrever - deves estar a gozar!"

  • "Há tanta gente medíocre como tu - porque achas que te vais destacar?"

  • "Nem pontuar sabes, quanto mais..."

  • "O que te faz pensar que és criativo?"


A questão é que, ao acordarmos e irmos directos para as páginas matinais, aprendemos a escapar às garras do censor. Como não há forma errada de o fazer, a opinião dele não conta. Ele vai aparecer e resmungar, e nós vamos ignorar porque nos estamos nas tintas para ele. Aquele é o nosso momento - somos livres ali.


Não há certos, nem errados: apenas uma mão a preencher o papel.

Espero que gostem deste encontro tão íntimo com o vosso interior e que partilhem comigo um pouco do vosso sentir depois das doze semanas iniciais.


Boa sorte!

CONTACTO
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Ícone do Instagram Preto

© 2020 por Daniela Ventura

Serviços de Comunicação